segunda-feira, 4 de julho de 2016

O TEMPLO DO PERDÃO




Em Babemba, tribo da África do Sul, quando uma pessoa age de forma irresponsável ou injusta, é colocada no centro da vila, sozinha e sem nada que a prenda.

Todo trabalho cessa, e todo homem, mulher e criança da vila se reúnem num grande círculo ao redor da pessoa acusada. A seguir, cada pessoa da tribo fala com a acusada, uma de cada vez, relembrando as boas coisas que a pessoa do centro do círculo tenha feito na vida.

Todo incidente, toda experiência que possa ser lembrada com algum detalhe e precisão é relatado. Todos os seus atributos positivos, boas ações, força de vontade e generosidade são declarados cuidadosamente e em detalhes. Muitas vezes, essa cerimônia tribal dura vários dias.


Ao final o círculo tribal é quebrado, e dá  a uma celebração de júbilo, e a pessoa que tivera conduta transgressora, simbolicamente e literalmente é recebida com boas vindas, de volta à tribo.

"Mude, mas comece devagar, porque a direção é mais importante que a velocidade." (Clarice Lispector)

Referência:
Almanaque do Aluá nº 2- Governo Federal - RJ 2006

quarta-feira, 29 de junho de 2016

CANÇÃO MÍNIMA





        No mistério do sem fim

    Equilibra-se um planeta.

   E, no planeta, um jardim,

   e, no jardim, um canteiro;

 no canteiro uma violeta,

e sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o sem fim,

a asa de uma borboleta...

    (Cecília Meireles)






                          










O segredo é não correr atrás das borboletas...É cuidar do jardim para que elas venham até você.
                
                        (Mario Quintana)

Uma das atividades é trabalhar com:

  • Música;
  • Poesia; 
  • Palavras cruzadas;
  • Fazer Cartazes sobre a natureza;
  • Construção de murais
  • Pesquisas sobre as poesias que abordem este tema.
  • Vídeos.


segunda-feira, 20 de junho de 2016

SIMPATIAS AOS SANTOS: SANTO ANTONIO, SÃO JOÃO E SÃO PEDRO


O relacionamento entre os devotos e os santos juninos, principalmente Santo Antônio,São João e São Pedro é quase familiar e cheio de intimidades. Eis algumas que representam o lado profano da história da nossa cultura.



Simpatias com santo Antonio

*     Moças solteiras, desejosas de se casar, em várias regiões do Brasil, colocam uma estátua do santo de cabeça para baixo atrás da porta ou dentro do poço ou enterram-no até o pescoço. Fazem o pedido e, enquanto não são atendidas, lá fica a imagem de cabeça para baixo.

*      Encontrar a alma gêmea "Coloque uma imagem do Santo Antônio em baixo da sua cama por três dias. Toda vez que for dormir, nesse período, tenha muita fé e imagine uma áurea cor-de-rosa em volta de você. No quarto dia, utilize cascas de maçã para fazer um banho especial. Adicione uma colher de mel na mistura. Passe levemente pelo seu corpo."

*      Para voltar com ex "Você irá precisar de uma vela apenas. Acenda a vela, ofereça ao santo e diga com muita fé, falando o nome da pessoa: 'Santo Antônio, amansador de burros, amansai [nome da pessoa amada] para mim. Que ele me peça desculpas e volte a ser meu namorado [ou namorada]” 



Simpatia de são João para obter proteção e alegria

*      Numa bacia com água, junte cravos e folhas de alecrim e manjericão e deixe descansar.No dia de são João, tome um banho e jogue a mistura no corpo, do pescoço para baixo, invocando a proteção dele. Enxugue-se apenas de leve.

 Simpatia da bananeira, para descobrir o nome do seu amor:
*      Na noite de 23 para 24 de Junho, enfie uma faca nova e nunca usada no caule de uma bananeira. Na manhã seguinte, retire a faca. A letra que ali aparecer será a inicial de seu futuro companheiro ou companheira.

Simpatia do manjericão, para descobrir idade do seu amor:

*      Passe um ramo de manjericão na fogueira e atire-o ao telhado. Se na manhã seguinte o manjericão ainda estiver verde, o casamento é com moço. Se murchar, é com velho. 



Simpatias de São Pedro

Simpatia da Chave do Amor da Sua Vida 

No dia de São Pedro, ponha a chave da porta de entrada da sua casa embaixo do seu travesseiro, que deve ser novo ou a fronha nova. Ao sonhar, o primeiro homem que aparecer nos seus sonhos será o amor da sua vida. Ao acordar, retire a chave dali.

Simpatia para manter bom astral para atrair paixões 

Na noite de São Pedro, separe as pétalas de uma rosa branca, coloque-as entre as páginas de um livro qualquer, para que sua umidade seja absorvida. Quando as pétalas estiverem secas, faça um saquinho de tecido de algodão branco, com linha branca. Dentro desse saquinho, coloque as pétalas secas. Costure a boca do saco. Você tem aí um ótimo patuá de harmonia, paz e carisma. Leve-o sempre consigo.

Simpatia da chave debaixo do travesseiro 

No dia de São Pedro coloque uma chave nova debaixo do seu travesseiro. Embrulhe-a em um papel branco com três pedidos e descreva como você desejaria que fosse sua nova casa. Deite-se e mentalizando que São Pedro e seus anjos estarão durante a noite procurando a casa dos seus sonhos.


Como Atividades:


  1. Os educandos vão mergulhar e descobrir através da pesquisa não somente as simpatias e adivinhações e até se aprofundar mais descobrindo a vida destes Santos Católicos;
  2. Reproduzir textos, cartazes e Murais;
  3. Danças;
  4. Fazer quadrinhas e paródias;
  5. Preparar vídeos...Entre outros.
  6. Bom trabalho e boa pesquisa.






FESTAS JUNINAS NO NORDESTE DO BRASIL


Embora seja comemorado nos quatro cantos do Brasil, na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. O mês de junho é o momento de se fazer homenagens aos três santos católicos: São João, São Pedro e Santo Antônio. Como é uma região onde a seca é um problema grave, os nordestinos aproveitam as festividades para agradecer as chuvas raras na região, que servem para manter a agricultura.
Além de alegrar o povo da região, as festas representam um importante momento econômico, pois muitos turistas visitam cidades nordestinas para acompanhar os festejos. Hotéis, comércios e clubes aumentam os lucros e geram empregos nestas cidades. Embora a maioria dos visitantes seja de brasileiros, é cada vez mais comum encontrarmos turistas europeus, asiáticos e norte-americanos que chegam ao Brasil para acompanhar de perto estas festas. 

Comidas típicas 



Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento. Pamonha, cural de milho verde, milho cozido, canjica, cuscuz, pipoca, bolo de milho são apenas alguns exemplos. 
Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bom-bocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais. 

Principais tradições 



As tradições fazem parte das comemorações. O mês de junho é marcado pelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Os balões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função das leis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam.
No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.

Danças Típicas Brasileiras

Bumba-meu-boi


bumba-meu-boi é uma das danças mais típicas do país porque ocorre em diversos estados brasileiros e principalmente no nordeste. Além de dança, ela é uma representação da sociedade brasileira. É a história cantada e dançada da Catirina, uma sertaneja que grávida acabou desejando a língua do boi preferido do dono da fazenda onde ela e seu marido Chico Vaqueiro trabalha.
Seu marido acaba tirando a língua do boi a pedido de sua mulher e a notícia chega aos ouvidos do fazendeiro. Ele acusa Chico Vaqueiro pelo ocorrido e são solicitados vários médicos para curá-lo. Durante toda a dança, há o julgamento e o perdão do homem. O boi, que aparentemente havia morrido, acaba sendo curado e é realizada uma grande festa com danças e cantorias.

Quadrilha


A festa junina é um evento comum no Brasil, durante os meses de junho, julho e agosto. Essa festa possui uma dança bastante conhecida, a quadrilha. A dança evolui em duplas ao som do forró e pode alternar entre fandangos, catiras e valsas. São diversas evoluções e coreografias que são executadas pelos dançarinos ao som de músicas conhecidas como Pula Fogueira e Capelinha de Melão. Eles utilizam uma vestimenta característica dos caipiras, com chapéus de palha, vestidos de chita e camisas xadrez.

Forró



Essa dança típica brasileira é muito conhecida no país e tem suas raízes diretamente ligadas à região nordeste. O forró possui diversos aspectos retirados da cultura e do cotidiano desse povo e, por isso, passou a ser comum não só ali como em todo o país. A música que embala os dançarinos tem o mesmo nome da dança e é acompanhada de instrumentos musicais como a sanfona, zabumba e triângulo. Há indícios de que ela surgiu no século XIX e como era dançada em terrenos de chão batido, as pessoas dançavam com os pés arrastados para evitar que a poeira levantasse. Uma das características mais peculiares do forró é que os dançarinos arrastam os pés pelo salão e dançam bem colados, em pares. São diversas formas de dançá-lo: podem alternar entre lento, moderado e rápido. Há, ainda, a divisão entre forró eletrônico, tradicional, universitário, dentre outros.
Existem muitas variedades de danças juninas

         


http://dancas-tipicas.info/

terça-feira, 31 de maio de 2016

Água, o mundo com ela...o mundo sem ela





Letra da Música PLANETA ÁGUA
(Guilherme Arantes)


Água que nasce na fonte serena do mundo...
E que abre um profundo grotão

Água que faz inocente riacho e deságua
Na corrente do ribeirão
Águas escuras dos rios

Que levam a fertilidade ao sertão. 
Águas que banham aldeias...
E matam a sede da população
Águas que caem das pedras...
No véu das cascatas, ronco de trovão...

E depois dormem tranquilas
No leito dos lagos, no leito dos lagos
Águas dos igarapés, onde Iara "mãe d'água"

É misteriosa canção.
Água que o sol evapora, pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão.
Gotas de água da chuva

Alegre arco-íris sobre a plantação. 
Gotas de água da chuva. 
Tão tristes são lágrimas da inundação. 
Águas que movem moinhos...
São as mesmas águas que encharcam o chão.
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra, pro fundo da terra
Terra, planeta água... 
Terra, planeta água...

Terra, planeta água...


Como trabalhar em sala de aula:


ATIVIDADES SOBRE A ÁGUA

1-Pesquisar, o modo de como a água representa um símbolo sagrado nas tradições religiosas.

2-Trabalho em grupo sobre a água nas religiões com apresentação de seminários.

3-Construção de cartazes para cada religião pesquisada e montagem de um mural.

4- Pesquisar em quais rituais a água é usada no Xintoísmo,

5-Jogral sobre a água.

6- Fazer uma redação sobre a importância da água para as religiões.

7- Palavras cruzadas.

8-Preparar a turma para assistir um vídeo sobre a água nas religiões e desenvolver trabalhos como: 

Discussões, pesquisas, convidar pessoas para palestras.

9- Trabalhar com músicas que aborde o tema água.

10 - elaborar:

·         Uma pintura,
·         Poesia,
·         Texto,
·         História em quadrinho,
·         Uma dramatização.
·         Paródias

·          Murais, entre outros.


Esta temática dá para o professor trabalhar desde:

-Educação Infantil com vídeos de desenhos infantis;
-Ensino Fundamental;
-EJA  

Aprofundando de acordo com o nível das turmas.





segunda-feira, 30 de maio de 2016

A PAZ PERFEITA


                     
       

                          (Autor desconhecido)

Havia um rei que ofereceu um grande prêmio ao
artista que fosse capaz de captar numa pintura...
...a paz perfeita.  
Foram muitos os artistas que tentaram.
O rei observou e admirou todas as pinturas,
mas houve apenas duas de que ele realmente gostou
e teve que escolher entre ambas.
A primeira era um lago muito tranqüilo.
Este lago era um espelho perfeito onde se refletiam
umas plácidas montanhas que o rodeavam.
Sobre elas encontrava-se um céu muito azul com
tênues nuvens brancas.
Todos os que olharam para esta pintura pensaram
que ela refletia a paz perfeita. A segunda pintura
também tinha montanhas. Mas estas eram escabrosas
e estavam despidas de vegetação.
Sobre elas havia um céu tempestuoso
do qual se precipitava um forte aguaceiro
com faíscas e trovões. Montanha abaixo
parecia retumbar uma espumosa torrente de água.
Tudo isto se revelava nada pacífico.
    Mas, quando o rei observou mais atentamente,
reparou que atrás da cascata havia um arbusto
crescendo de uma fenda na rocha.
Neste arbusto encontrava-se um ninho.
Ali, no meio do ruído da violenta camada de água
estava um passarinho placidamente sentado no seu ninho.
Paz perfeita. Qual pensas que foi a pintura ganhadora?
O rei escolheu a segunda.
Sabes por quê? "Porque", explicou o rei,
"paz não significa estar num lugar sem ruídos, sem problemas,
sem trabalho árduo ou sem dor".
"Paz significa que, apesar de se estar no meio de tudo isso,

permanecemos calmos no nosso coração.
Este é o verdadeiro significado da paz".

sexta-feira, 29 de abril de 2016

ORIGEM DOS ÍNDIOS NO BRASIL





     Os antepassados dos índios do Brasil, assim como os dos outros povos indígenas americanos, vieram da Ásia há cerca de 40 mil anos. Eles chegaram ao continente, através de um longo processo migratório, passando pelo estreito de Bering (une o Alasca na América à Sibéria na Ásia). Esta passagem, de acordo com historiadores, pode ter ocorrido durante um período de glaciação.
      Os índios brasileiros são descendentes dos primeiros habitantes que chegaram à América, atravessando o estreito de Bering, o ponto mais próximo entre a Ásia e a América. Foram os antepassados dos tupis, tupis-guaranis, tapuias, tupinambás, guaicurus etc. Eram caçadores e coletores, fabricavam instrumentos de pedra e se tornaram ótimos ceramistas. Ficaram conhecidos como povo das flechas, povo dos sambaquis (montanhas de conchas), povo bumerangue e outros. 
        Quando os primeiros historiadores europeus tiveram notícias dos povos que habitavam o Brasil, diziam que os índios eram divididos em duas raças: os tupinambás, caçadores que já sabiam plantar e colher, e os tapuias, povos coletores e nômades, que mudavam de lugar sempre que o alimento acabava. Com o passar do tempo, há cerca de 3 mil anos, os primeiros povos foram se expandindo, dando origem aos diferentes grupos indígenas: goitacás, aimorés, xavantes etc.


http://www.suapesquisa.com/indios/curiosidades.htm