sexta-feira, 29 de abril de 2016

ORIGEM DOS ÍNDIOS NO BRASIL





     Os antepassados dos índios do Brasil, assim como os dos outros povos indígenas americanos, vieram da Ásia há cerca de 40 mil anos. Eles chegaram ao continente, através de um longo processo migratório, passando pelo estreito de Bering (une o Alasca na América à Sibéria na Ásia). Esta passagem, de acordo com historiadores, pode ter ocorrido durante um período de glaciação.
      Os índios brasileiros são descendentes dos primeiros habitantes que chegaram à América, atravessando o estreito de Bering, o ponto mais próximo entre a Ásia e a América. Foram os antepassados dos tupis, tupis-guaranis, tapuias, tupinambás, guaicurus etc. Eram caçadores e coletores, fabricavam instrumentos de pedra e se tornaram ótimos ceramistas. Ficaram conhecidos como povo das flechas, povo dos sambaquis (montanhas de conchas), povo bumerangue e outros. 
        Quando os primeiros historiadores europeus tiveram notícias dos povos que habitavam o Brasil, diziam que os índios eram divididos em duas raças: os tupinambás, caçadores que já sabiam plantar e colher, e os tapuias, povos coletores e nômades, que mudavam de lugar sempre que o alimento acabava. Com o passar do tempo, há cerca de 3 mil anos, os primeiros povos foram se expandindo, dando origem aos diferentes grupos indígenas: goitacás, aimorés, xavantes etc.


http://www.suapesquisa.com/indios/curiosidades.htm

quinta-feira, 21 de abril de 2016

OS DONOS DA TERRA




DIA DO ÍNDIO

No Brasil, comemora-se no dia 19 de abril esta homenagem aos nossos índios. Esta data comemorativa foi criada em 1943, pelo Presidente Getúlio Vargas, através do decreto lei nº 5.540.
E por que esta data?
Quando voltamos à nossa história vimos que em 1940 criou-se a data consagrada ao Índio em todo o continente americano, por ocasião do I Congresso Indigenista Interamericano no México. Onde reuniu líderes indígenas e representantes de diversos países. 
No Brasil, a Semana dos Povos Indígenas constitui não só um período de celebração, mas também de luta e reivindicação de cerca de 215 sociedades indígenas existentes no país.
Além de contar com a participação de diversas autoridades governamentais dos países da América, vários líderes indígenas deste continente foram convidados para participarem das reuniões e decisões. Porém, eles não compareceram nos primeiros dias do evento por estarem preocupados e temerosos.
Este comportamento era compreensível, pois os índios há séculos estavam sendo perseguidos, agredidos e dizimados pelos “homens brancos”. Somente após as reuniões e reflexões, diversos líderes decidiram participar, por entenderem a importância daquele momento histórico. Esta participação ocorreu no dia 19 de abril e que depois foi escolhido no Continente Americano, como Dia do Índio.  
"A cultura religiosa indígena, destacando alguns pontos relevantes que contribuíram com a nossa cultura, pode ser chamada de uma religião ecológica por estar bastante ligada ao culto da natureza, isto é, toda à “criação divina” e aos poderes sobrenaturais que alguns homens possuem."


REFERÊNCIAS


ALMANAQUE DO ALUÁ Nº 2. (SAPE) Serviço de Apoio à Pesquisa em Educação. 

Holmes, Maria José Torres. Dissertação de Mestrado pela UFPB/PB: Ensino Religioso: Problemas e  Desafios. (2010). 


sábado, 26 de março de 2016

VIVENCIANDO A PÁSCOA NA DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA


 Um pouco de conhecimento: Origens da festa da Páscoa

1º momento:

Muitos costumes ligados ao período pascal originam-se dos festivais pagãos da primavera. A Páscoa Florida era muito diferente da Páscoa do Antigo Testamento e do Novo Testamento tal como a entendia e praticava a Igreja Primitiva, a qual se baseava nos ensinamentos de Jesus e dos apóstolos. Assim, a Páscoa Florida era um festival pagão cujas raízes se originavam na adoração a outros deuses. Que eram os festejos da passagem do inverno para a primavera, durante o mês de março. Isso acontecia entre as civilizações antigas, e entre essas destacam-se os gregos, que significava a festa da colheita. Esses povos faziam sua celebração nesse período, com a chegada da primavera, o que foi colocado na mesa frutas diversas e flores, simbolizando a agricultura como a renovação da vida, uma forma de acolher as pessoas daquela época para essa simbologia.

Cântico: Planeta Água: Sandy e Junior

Água que nasce na fonte serena do mundo... E que abre um profundo grotão.
Água que faz inocente riacho e deságua
Na corrente do ribeirão... 
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão. Águas que banham aldeias... E matam a sede da população... Águas que caem das pedras. No véu das cascatas, ronco de trovão. E depois dormem tranquilas... No leito dos lagos, no leito dos lagos
Águas dos igarapés, onde Iara "mãe d'água"... É misteriosa canção.
Água que o sol evapora, pro céu vai embora.
Virar nuvens de algodão. 
Gotas de água da chuva.
Alegre arco-íris sobre a plantação. Gotas de água da chuva. Tão tristes são lágrimas da inundação. Águas que movem moinhos
São as mesmas águas que encharcam o chão. E sempre voltam humildes.
Pro fundo da terra, pro fundo da terra... Terra, planeta água. Terra, planeta água... Terra, planeta água...


2º momento:

Outra mesa relembrando a natureza morta representada por folhas secas no centro e a natureza viva com flores em volta da natureza morta.

O narrador:

Inicia falando sobre a Páscoa no velho Testamento, a libertação do povo judeu, em que foi entoado um mantra "Em nome de Deus". 

Algumas pessoas (3) são convidadas para pegar uma flor e cobrir a natureza morta, lembrando-se de alguém que lhe magoou. Assim como todos pensassem em algo que marcou suas vidas...

O narrador fala:

Sobre o amor de Deus de sua generosidade, que para Ele todas as pessoas são iguais, por isso Ele é considerado o Deus de todas as culturas e raças e por isso é o "Deus de todos os nomes", destacando outras culturas religiosas, em que para essas tradições DEUS é o Sagrado, e chamado de:  Javé, Alá, Obatala, Olorum, Oió, Tupã, entre outros... que cultuam “O Senhor da paz”.
·         Cantar: Iguais - Padre Zezinho

Uou, uou, uou,...
Tenho irmãos, tenho irmãs aos milhões, em outras religiões,
Pensamos diferente, louvamos diferente, oramos diferentes,
Mas numa coisa nós somos iguais, buscamos o mesmo Deus,
Amamos o mesmo Pai, queremos o mesmo céu, choramos os mesmos ais.

Tenho irmãos, tenho irmãs aos milhões, em outras religiões
Falamos diferentes, cantamos diferente, pregamos diferente,
Mas numa coisa nós somos iguais, buscamos o mesmo amor,
Queremos a mesma luz, sofremos a mesma dor, levamos a mesma cruz.

uou, uou, uou...
Um dia talvez quem sabe,
Um dia talvez quem sabe, um dia talvez quem sabe,
Descobriremos que somos iguais, irmão vai ouvir irmão,
E todos se abraçarão, nos braços do mesmo Deus, nos ombros do mesmo pai.
Irmão vai ouvir irmão, e todos se abraçarão,
Nos braços do mesmo Deus, nos ombros do mesmo... uou, uou,uou... pai...

O narrador continua:

A festa da Páscoa tem origem numa tradição judaica, muito antes da vinda de Cristo. Era uma festa que recordava momentos significativos do povo hebreu (judeu). Era a celebração do Pessach, ou Passover, a Páscoa judaica. É uma das mais importantes festas do calendário judaico, que é celebrada por 8 dias e comemora o êxodo dos israelitas do Egito durante o reinado do faraó Ramsés II, da escravidão para a liberdade. Um ritual de passagem, assim como a "passagem" de Cristo, da morte para a vida.
Inicialmente começou com a cerimônia das primícias, apresentava-se a Deus o primeiro feixe da colheita.

(Lv 23, 9-14). Fazer a leitura por qualquer pessoa.

(Depoimentos)

As três pessoas que foram convidadas a participarem simbolicamente do ritual da natureza morta. Nesse momento são chamadas, para falarem um pouco daquilo que se sentiram magoada, causando lhes sofrimentos e que refletissem, sobre essas pessoas, que lhes fizeram mal, e a partir daquele instante seria a sua vitória! O seu perdão!
·         Cântico: Oração de São Francisco

Senhor! Fazei-me instrumento da vossa paz
Onde houver ódio, que eu leve o amor
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão
Onde houver discórdia, que eu leve a união
Onde houver dúvida, que eu leve a fé
Onde houver erro, que eu leve a verdade
Onde houver desespero, que eu leve a esperança
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria
Onde houver trevas, que eu leve a luz.
·         Ó mestre, fazei que eu procure mais consolar do que ser consolado
Compreender do que ser compreendido
Amar que ser amado
Pois, é dando que se recebe
É perdoando que se é perdoado;
E morrendo que se vive
Para a vida eterna.

Outro momento significativo é a Páscoa da libertação, que é a passagem do Senhor (Êxodo 12,11), passagem de Deus na figura do anjo exterminador que passou, adiante, ao ver o sangue do cordeiro sobre os umbrais das portas das casas habitadas. Páscoa neste sentido significa a libertação do povo na situação de morte entre o mar vermelho e o exército inimigo. O terceiro momento era o rito da imolação do cordeiro e a atitude de comer pães ázimos que recordava o grande acontecimento da libertação no Egito e da aliança no Sinai, bem como a entrada na terra prometida.

·        Ler Êxodo 12.11
Comentar sobre a escravidão dos judeus e fazer um paralelo com o que estamos vivendo atualmente, a escravidão das drogas e da violência, entre tantos conflitos...

 É Preciso Saber Viver (Roberto Carlos)

Quem espera que a vida. Seja feita de ilusão. Pode até ficar maluco. Ou viver na solidão. /É preciso ter cuidado. Prá mais tarde não sofrer. É preciso saber viver... Toda pedra no caminho.
Você pode retirar. Numa flor que tem espinhos. Você pode se arranhar. Se o bem e o mau existem. Você pode escolher. É preciso saber viver... É preciso saber viver! É preciso saber viver! É preciso saber viver!
Saber viver!... 
Toda pedra do caminho

Você pode retirar. Numa flor que tem espinhos
Você pode se arranhar. Se o bem e o mal existem
Você pode escolher... É preciso saber viver... 
É preciso saber viver! É preciso saber viver! Saber viver! Saber viver! É preciso saber viver! (2x)


3º Momento: A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu, até sua ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas. 

Símbolos: Velas, A Cruz, Uva Pão, Trigo, Cartazes

 Cântico: O Homem (Roberto Carlos)

Um certo dia um homem esteve aqui/ Tinha o olhar mais belo que já existiu
Tinha no cantar uma oração. E no falar a mais linda canção que já se ouviu.

Sua voz falava só de amor. Todo gesto seu era de amor
E paz, Ele trazia no coração.

Ele pelos campos caminhou. Subiu as montanhas e falou do amor maior.
Fez a luz brilhar na escuridão. O sol nascer em cada coração que compreendeu

Que além da vida que se tem, Existe uma outra vida além e assim...
O renascer, morrer não é o fim.

Tudo que aqui Ele deixou Não passou e vai sempre existir
Flores nos lugares que pisou/ E o caminho certo pra seguir
Eu sei que Ele um dia vai voltar. E nos mesmos campos procurar o que plantou.
E colher o que de bom nasceu/ Chorar pela semente que morreu sem florescer.

Mas ainda há tempo de plantar/ Fazer dentro de si a flor do bem crescer
Pra Lhe entregar/ Quando Ele aqui chegar

Tudo que aqui Ele deixou / Não passou e vai sempre existir
Flores nos lugares que pisou / E o caminho certo pra seguir

Tudo que aqui Ele deixou / Não passou e vai sempre existir
Flores nos lugares que pisou / E o caminho certo pra seguir.



Ler um trecho do evangelho. (Lucas 22.14-20)

A partilha da Ceia:

A páscoa da Ressurreição, a vida vence a morte. Acontece em outra mesa, simbolizando a Ceia, com ervas amargas, o vinho, a uva, o pão ázimo, a vela e pedacinhos de cordeiro assado. 

OBS: Em outro caso oferecer o suco de uva ou (Fanta uva) e o pão

Sensibilizando

 – Falar um pouco sobre o significado da Páscoa para nós cristãos. Refletir com as crianças: Como podemos celebrar melhor a Páscoa nos dias de hoje? Concluir a reflexão falando sobre a importância da partilha.

Fazendo a leitura coletiva ou jogral do texto abaixo

Celebrar a Páscoa, significa celebrar a "Vida" !

Celebrar a Páscoa é deixar morrer tudo que há de "menor"
em nós (os defeitos, as incompreensões, a falta de amor...)
e deixar "ressurgir, "ressuscitar" tudo que temos de bom,
de grandioso em nós.

Comecemos agora mesmo a aceitar o nosso semelhante.
cultivemos a compreensão, a esperança, e nos
sentiremos melhor, renovados!

Comecemos a crer em nossa força interior, a ser mais tolerantes
e pacientes, humildes e diligentes.

Comecemos agora a perdoar de coração, a ter
coragem de também pedir perdão a nós mesmos e aos outros!

Comecemos agora a nos alegrar com a verdade, assumir quem somos
e promover a paz, o bem.

Comecemos agora, juntos, a "viver" a ressurreição
que nos faz "família humana".

É Páscoa, todo dia , quando somos capazes de olhar
para os lados e ver em todos que nos cercam um "irmão",
filhos do mesmo Amor Maior.


PÁSCOA É RENOVAÇÃO, SUPERAÇÃO, AMOR, UNIÃO E FÉ! É RESPEITAR TODAS AS CRENÇAS, AS DIFERENÇAS E AMAR AS PESSOAS COMO ELAS SÃO.

Rezar: A Oração Universal do Pai Nosso (Versão Espírita):

Pai nosso que estais nos Céus. Na luz dos sois infinitos. Pai de todos os aflitos, neste mundo de escarcéus. Santificado, Senhor, seja Teu nome sublime que em todo universo exprime, ternura, concórdia e amor. Venha ao nosso coração O Teu Reino de bondade, de paz e de claridade, na estrada da redenção. Cumpra-se o teu mandamento que não vacila, nem erra nos Céus, como em toda Terra de luta e sofrimento. Evita-nos todo mal, dá-nos o pão no caminho. Feito de luz no carinho do Pão espiritual. Perdoa-nos Senhor, os débitos tenebrosos de passados escabrosos, de iniquidades e de dor. Auxilia-nos também nos sentimentos cristãos, a amar aos nossos irmãos que vivem distantes do Bem. Com a proteção de Jesus livra nossa alma do erro neste mundo de desterro distante da Tua Luz. Que nossa ideal igreja seja o altar da caridade, onde se faça a vontade de teu amor... Assim seja.

Despedida: Motumbá Axé que significa: 

Aquele que é minha força (Deus). Te abençoe, te abençoe, te abençoe.

Cântico: Diversidade (Lenine)

Foi pra diferenciar / Que Deus criou a diferença / Que irá nos aproximar/ Intuir o que ele pensa/ Se cada ser é só um/E cada um com sua crença/Tudo é raro, nada é comum /Diversidade é a sentença /Que seria do adeus/Sem o retorno /Que seria do nu/Sem o adorno /Que seria do sim /Sem o talvez e o não  /Que seria de mim /Sem a compreensão /Que a vida é repleta/ E o olhar do poeta/Percebe na sua presença /O toque de deus/ A vela no breu/ A chama da diferença/ A humanidade caminha/ Atropelando os sinais /A história vai repetindo/ Os erros que o homem traz /O mundo segue girando /Carente de amor e paz/ Se cada cabeça é um mundo/ Cada um é muito mais /Que seria do caos /Sem a paz/ Que seria da dor /Sem o que lhe apraz/ Que seria do não/ Sem o talvez e o sim /Que seria de mim.../O que seria de nós/ Que a vida é repleta/ E o olhar do poeta /Percebe na sua presença/ O toque de deus/ A vela no breu/ A chama da diferença.

Cântico: Faz um milagre em mim. (Regis Danese)

Como Zaqueu...Eu quero subir. O mais alto que eu puder./ Só pra te ver. Olhar para Ti. E chamar sua atenção para mim. /Eu preciso de Ti, Senhor...Eu preciso de Ti, Oh! Pai. /Sou pequeno demais. Me dá a Tua Paz. /Largo tudo pra te seguir. /Entra na minha casa. Entra na minha vida. /Mexe com minha estrutura. Sara todas as feridas...  /Me ensina a ter Santidade. Quero amar somente a Ti,

Porque o Senhor é o meu bem maior. /Faz um Milagre em mim...


  • Esta temática pode ser trabalhada  na escola não somente com os educandos, mas por todos que compõem a escola.

LEMBRETES:


Primeiramente preparar o ambiente e seguir todo o roteiro:
Mesas; toalhas bandejas de frutas; pequenos galhos e folhas secas; flores e folhas verdes; cartazes contendo os grandes líderes religiosos na diversidade; a questão da violência; toda programação com os cânticos para que todos/as possam acompanhar e mais alguns símbolos religiosos não esquecendo que estamos falando da diversidade; além dos principais símbolos da páscoa; 

Neste planejamento prévio considerar dois pontos importantes:
  • No caso da sala de aula fazer uma abordagem destacando a importância do respeito às diferenças.
  • No caso da comunidade explicar o porquê dessa abordagem. Essa é a grande diferença do Ensino Religioso.